#distantesmaspróximos

Comunicação em tempos de dificuldade

Numero 8

Caros amigos, estamos felizes por poder saudar-vos mais uma vez com esta newsletter. Esperamos que desfrutem desta página, que é um fio que nos une uns aos outros, em previsão do nosso encontro virtual em Julho.

Desejamos-lhe uma boa leitura

Equipe Responsável Internacional

Editorial

Clarita & Edgardo BERNAL

Casal Responsável Internacional

EDITORIAL Nº 8

REAFIRMANDO O QUE SOMOS

"A MEDIDA DE QUEM SOMOS É O QUE FAZEMOS COM O QUE TEMOS".

Vince Lombardi


Caros amigos, casais, sacerdotes-conselheiros e acompanhantes espirituais das Equipes de Nossa Senhora: era muito necessário que nos dirigíssemos a vocês novamente, pois nesta ocasião, como já havíamos anunciado, após a primeira edição do ano de #distantesmasproximos, permitimos que passassem mais alguns meses do que o habitual antes de trazer à tona esta nova edição.


Antes de abordar o tema deste editorial, gostaríamos de fazer uma breve menção ao momento difícil que, por causa da pandemia, alguns países nos quais nosso movimento está presente vivem com maior intensidade e aos quais queremos expressar nossa solidariedade e apoio em espírito e oração.


Confessamos que às vezes nos sentimos sobrecarregados pela forma como as notícias, jornais e redes divulgam os números de mortes e contágios causados pela pandemia, referindo-se a eles em termos de registros, como se fosse um campeonato, desumanizando a morte através de estatísticas frias que banalizam o valor incalculável da vida.


O temido avanço do vírus que, em sua jornada, sofre mutações e se fortalece, tem ciclos que foram chamados de primeira, segunda, terceira e quarta ondas, que com um atraso quase matemático, foram experimentados em ambos os hemisférios. Atualmente, no momento de escrever estas linhas no início do mês de maio, são de especial preocupação os contágios diários que atingem incessantemente a Índia, o Brasil, os Estados Unidos, a Argentina, a Polônia, o México, a Colômbia e a França.

A distribuição e aplicação injusta de vacinas, condicionada pelo poder econômico dos países e a falsa segurança de poder se salvar, protegendo as fronteiras cada vez mais fracas de nossa aldeia global, não trouxeram o esperado retardamento da propagação do vírus.


Oramos ao Senhor da Vida e a Nossa Mãe do Céu para que o fim deste pesadelo seja acelerado por uma consciência de corresponsabilidade e ajuda mútua que o mundo clama a seus líderes, que têm o poder de decidir por nós e que devemos apoiar com a força de nossa comunhão e oração para que o Espírito possa guiar seus passos.


É no âmbito desta crise mundial que o Papa Francisco convocou a celebração do Ano da Família Amoris Laetitia, que começou em 19 de março e se concluirá em 26 de junho de 2022, quando será inaugurado o 10º Encontro Mundial das Famílias, que foi adiado.


Esta celebração, nestes tempos que a humanidade está passando, assume um significado muito importante na vida da Igreja e na vida das EQUIPES DE NOSSA SENHORA.

O Padre Ricardo Londoño, sacerdote conselheiro internacional, nas palavras que nos dirige nesta edição, destaca a mensagem desta segunda exortação apostólica do Papa Francisco que convidamos todo o movimento, se ainda não o fizeram, a lê-la, experimentá-la, interiorizá-la e torná-la viva.


Como movimento laico com estatutos canônicos aprovados pelo Vaticano, no último dia 16 de março fomos convocados pelo Dicastério dos Leigos, Família e Vida, para apresentar aos 13 movimentos representados naquela reunião, as estratégias e o alcance das iniciativas que o Vaticano tem para promover a encarnação da mensagem de Amoris Laetitia.


A ideia do Papa Francisco é atingir o coração das comunidades eclesiais, movimentos leigos, dioceses e paróquias e famílias, para que a partir daí e em meio a este ano de celebração, a exortação irradie para todo o mundo. O encontro com o dicastério teve também o objetivo de ouvir e enriquecer mutuamente as experiências do percurso de cada movimento, a partir de sua especificidade, a fim de fortalecer as estratégias elaboradas com vistas a atingir os objetivos estabelecidos.


Alexandre Awi Mello e Gabriella Gambino, secretário e subsecretária do dicastério, explicaram o que o Vaticano espera da Família Amoris Laetita deste ano, e com grande emoção pudemos ver que muitos dos objetivos propostos pelo Papa já estão sendo postos em prática pelo movimento.


As orientações que foram estabelecidas durante anos para nossa jornada como comunidade indicam isso e é assim que expressamos quando pedimos a palavra para intervir, dizendo ao Vaticano que o trabalho do movimento das EQUIPES DE NOSSA SENHORA não é nosso patrimônio exclusivo, mas um presente para a Igreja e para o mundo, que desejamos compartilhar e multiplicar.


O propósito que o Papa Francisco tem com a celebração deste Ano da Família Amoris Laetitia, ele mesmo o expressa da seguinte forma: "para nos fazer experimentar que o Evangelho da família é uma alegria que enche o coração e toda a vida" .... "Para uma família (lemos, uma família, do amor do casal) que descobre e experimenta a alegria de ter um dom e de ser por sua vez um dom para a Igreja e a sociedade, pode se tornar uma luz na escuridão do mundo".


Não temos dúvidas de que este propósito está em total harmonia com as orientações que nosso movimento está vivendo e que devemos reforçar com esta maravilhosa oportunidade que a Igreja nos dá de sincronizar nossos corações com o coração de toda a Igreja e dos movimentos que, como nós, caminham com ela, porque somos Igreja.


Que bela ocasião para reafirmar quem somos e em quem acreditamos, expressando-o em pensamento, palavra e ação.


Antes de nos despedirmos, queremos compartilhar com vocês que a ERI tem trabalhado com grande alegria na preparação de nossa segunda reunião ou Colégio Virtual que realizaremos de 18 a 24 de julho.


Encontramos uma resposta entusiasta e comprometida por parte dos casais e sacerdotes que foram chamados a enriquecer com suas intervenções e testemunhos, o conteúdo do colégio que desta vez tem como lema e fio condutor: "Matrimonio Cristão, fermento no mundo".


Como na ocasião anterior, vamos viver uma preparação espiritual prévia, que nos deixará com um coração pronto para viver com alegria e esperança este novo encontro, que não poderá ser realizado pessoalmente, como desejaríamos, mas que de forma alguma minará nosso entusiasmo em viver a fé na força da comunidade.


Em meio à crise da pandemia que há um ano e meio marca o ritmo de nossa existência, nestes encontros de fé, como será nosso Colégio virtual, sentimos que Jesus nos diz "Vamos para a outra margem" para nos livrarmos da tentação do desânimo, mudar nossas perspectivas e parar de olhar para trás para nos concentrarmos em projetar como abordar o futuro que está em nossas mãos e em nossos pensamentos, para sermos capazes de construir.


Há tempestades; às vezes sentimos que o barco é frágil, mas nunca podemos esquecer que Jesus está conosco nele e que, acima de tudo, ele nos ama e nunca nos deixará sozinhos. Só isso é suficiente para nos manter em movimento!


Até a próxima vez, nos braços de Jesus e de Nossa Mãe, que nunca deixa de interceder por suas equipes.




Pe Ricardo Londoño
SCE Internacional

Mensagem de Amoris Laetitia


Quando ouvimos ou lemos as mensagens constantes do Papa Francisco, percebemos que talvez tenha sido a Exortação Apostólica Pós-Sinodal Amoris Laetitia aquela que suscitou mais debate, polêmicas, interrogações....


É um documento extenso em nove capítulos que se propõe a refletir sobre as realidades da vida conjugal e familiar. É uma proposta para ver a humanidade do Senhor Jesus Cristo que caminha ao lado de casais e famílias, que os escuta, compreende e acompanha e que, apesar das crises, dificuldades, situações complexas e sofrimento, não os abandona.


O Papa nos propõe a percepção do plano de Deus para o casal e a família. No primeiro capítulo, ele começa com algumas citações e histórias bíblicas nas quais ele contempla o amor humano que simbolicamente manifesta o amor de Deus. No segundo, ele se detém nos desafios e perigos que a família enfrenta no mundo de hoje. A terceira se concentra na vocação da família que olha para a pessoa de Jesus e reconhece a sacramentalidade do matrimônio. Um belo quarto capítulo aprofunda a realidade do amor conjugal com base no Hino da Carta aos Coríntios. No quinto, ele nos apresenta a fecundidade do amor na preocupação com os outros. O sexto capítulo nos encoraja a olhar as perspectivas pastorais no acompanhamento e, no capítulo seguinte, ele se debruça sobre a educação das crianças. O oitavo capítulo, possivelmente o mais controverso, nos chama à misericórdia e compaixão ao contemplarmos a fragilidade que exige acompanhamento, discernimento e integração. E o último capítulo reflete sobre a espiritualidade conjugal e familiar.


Um documento que ratifica para nós, os membros das Equipes de Nossa Senhora, nosso carisma, nossa mística, nossa pedagogia e nosso espírito missionário que, nas últimas Orientações, nos leva a atender os apelos do Papa. Acreditamos no casamento de acordo com a vontade de Deus e, ao mesmo tempo, conhecemos as circunstâncias concretas que surgem da fraqueza e fragilidade da condição humana.


Acredito que o coração da Exortação é a "humanização" do amor divino. É um olhar realista sobre a realidade dos casais e famílias que, em meio a dificuldades, crises, mal-entendidos, etc., querem fazer de suas vidas uma resposta coerente ao convite de Deus. Ela contempla o plano criativo e a resposta das criaturas. Mostra a grandeza da vocação ao amor à maneira de Deus, reconhece as limitações e desafios que surgem, e abre caminhos para responder às preocupações que surgem diante das diversas circunstâncias que acompanham a fraqueza humana.


O Papa quer mostrar uma Igreja realista que esteja presente para as pessoas a fim de acompanhá-las em sua jornada. Se a comunidade cristã é o sacramento da unidade, sinal e instrumento da visibilidade da misericórdia divina, Amoris Laetitia traça um caminho concreto e coerente nesta tarefa de tornar presente a Boa Nova do amor de Deus no amor humano. Assim, no texto, o Papa não deixa de considerar a variedade de aspectos envolvidos no amor de homens e mulheres que querem realizar seu projeto de vida no casamento e na família (sexualidade, procriação, maternidade, paternidade, ausências, educação, velhice, doença, crise, tecnologia, comunicação...).

Permitamos que a celebração deste ano nos leve a um aprofundamento do que o Papa disse e nos comprometa a viver o que acreditamos, o que desejamos e o que estamos construindo.



VIVENDO NOSSA FÉ COM TODA A IGREJA

Mensagem do Santo Padre Francisco

VIAGEM APOSTÓLICA DO PAPA FRANCISCO AO IRAQUE

ENCONTRO INTER-RELIGIOSO

Planície de Ur

Sábado, 6 de março de 2021



Queridos irmãos e irmãs!

Este lugar abençoado faz-nos pensar nas origens, nos primórdios da obra de Deus, no nascimento das nossas religiões. Aqui, onde viveu o nosso pai Abraão, temos a impressão de regressar a casa. Aqui ele ouviu a chamada de Deus, daqui partiu para uma viagem que mudaria a história. Somos o fruto daquela chamada e daquela viagem. Deus pediu a Abraão que levantasse os olhos para o céu e contasse as estrelas (cf. Gn 15, 5). Naquelas estrelas, viu a promessa da sua descendência, viu-nos a nós. E hoje nós, judeus, cristãos e muçulmanos, juntamente com os irmãos e irmãs doutras religiões, honramos o pai Abraão fazendo como ele: olhamos para o céu e caminhamos sobre a terra.

1. Olhamos para o céu. Ao contemplarmos o mesmo céu alguns milénios depois, aparecem as mesmas estrelas. Iluminam as noites mais escuras, porque brilham juntas. O céu oferece-nos assim uma mensagem de unidade: sobre nós, o Altíssimo convida a não nos separarmos jamais do irmão que está ao nosso lado. O Além de Deus envia-nos mais além de nós, ao outro, ao irmão. Mas, se quisermos salvaguardar a fraternidade, não podemos perder de vista o Céu. Nós, descendência de Abraão e representantes de várias religiões, sentimos que a nossa função primeira é esta: ajudar os nossos irmãos e irmãs a elevarem o olhar e a oração para o Céu. E disto todos precisamos, porque não nos bastamos a nós próprios. O homem não é omnipotente; sozinho, não é capaz. E se escorraça Deus, acaba por adorar as coisas terrenas. Mas os bens do mundo, que fazem muitos esquecer-se de Deus e dos outros, não são o motivo da nossa viagem sobre a terra. Erguemos os olhos ao Céu para nos elevarmos das torpezas da vaidade; servimos a Deus, para sair da escravidão do próprio eu, porque Deus nos impele a amar. Esta é a verdadeira religiosidade: adorar a Deus e amar o próximo. No mundo atual, que muitas vezes se esquece do Altíssimo ou oferece uma imagem distorcida d’Ele, os crentes são chamados a testemunhar a sua bondade, mostrar a sua paternidade através da nossa fraternidade.

A partir deste lugar fontal da fé, da terra do nosso pai Abraão, afirmamos que Deus é misericordioso e que a ofensa mais blasfema é profanar o seu nome odiando o irmão. Hostilidade, extremismo e violência não nascem dum ânimo religioso: são traições da religião. E nós, crentes, não podemos ficar calados, quando o terrorismo abusa da religião. Antes, cabe a nós dissipar com clareza os mal-entendidos. Não permitamos que a luz do Céu seja ocultada pelas nuvens do ódio! Sobre este país, acumularam-se as nuvens negras do terrorismo, da guerra e da violência. Com isso, sofreram todas as comunidades étnicas e religiosas; de modo particular quero recordar a comunidade yazidi, que chorou a morte de muitos homens e viu milhares de mulheres, donzelas e crianças raptadas, vendidas como escravas e sujeitas a violências físicas e conversões forçadas. Hoje rezamos por todas as vítimas de tais sofrimentos, por quantos ainda estão dispersos e sequestrados para que regressem brevemente às suas casas. E rezamos para que em toda a parte se respeitem e reconheçam a liberdade de consciência e a liberdade religiosa: são direitos fundamentais, porque tornam o homem livre para contemplar o Céu para o qual foi criado.

O terrorismo, quando invadiu o norte deste amado país, destruiu barbaramente parte do seu maravilhoso património religioso, incluindo igrejas, mosteiros e lugares de culto de várias comunidades. Mas, mesmo naquele momento escuro, brilharam estrelas. Penso nos jovens voluntários muçulmanos de Mossul, que ajudaram a refazer igrejas e mosteiros, construindo amizades fraternas sobre as ruínas do ódio, e penso nos cristãos e muçulmanos que hoje restauram conjuntamente mesquitas e igrejas. O professor Ali Thajeel referiu-nos também o regresso dos peregrinos a esta cidade. É importante peregrinar rumo aos lugares sagrados: é o sinal mais belo da saudade do Céu na terra. Por isso, amar e preservar os lugares sagrados é uma necessidade existencial em memória do nosso pai Abraão, que em vários lugares ergueu para o céu altares ao Senhor (cf. Gn 12, 7.8; 13, 18; 22, 9). Que o grande patriarca nos ajude a tornar oásis de paz e de encontro para todos os lugares sagrados de cada um. Pela sua fidelidade a Deus, tornou-se uma bênção para todos os povos (cf. Gn 12, 3); a nossa estada hoje aqui, seguindo os seus passos, seja sinal de bênção e esperança para o Iraque, o Médio Oriente e o mundo inteiro. O Céu não se cansou da terra: Deus ama cada povo, cada uma das suas filhas e cada um dos seus filhos! Nunca nos cansemos de olhar para o céu, de olhar para estas estrelas, as mesmas que outrora viu o nosso pai Abraão.

2. Caminhamos sobre a terra. Os seus olhos erguidos para o céu não desviaram, antes encorajaram Abraão a caminhar sobre a terra, a empreender uma viagem que, através da sua descendência, tocaria todos os séculos e latitudes. Mas tudo começou a partir daqui, do Senhor que o «mandou sair de Ur» (Gn 15, 7). Por conseguinte, o seu foi um caminho em saída, que implicou sacrifícios: teve de deixar terra, casa e parentes. Mas, renunciando à sua família, tornou-se pai duma família de povos. Algo de semelhante acontece também connosco: no caminho, somos chamados a deixar aqueles vínculos e apegos que, fechando-nos no nosso grupo, impedem-nos de acolher o amor ilimitado de Deus e ver os outros como irmãos. É verdade! Precisamos de sair de nós mesmos, porque temos necessidade uns dos outros. A pandemia fez-nos compreender que «ninguém se salva sozinho» (Francisco, Carta enc. Fratelli tutti, 54); mas volta sempre a tentação de nos distanciarmos dos outros. Todavia «o principio “salve-se quem puder” traduzir-se-á rapidamente no lema “todos contra todos”, e isso será pior que uma pandemia» (Ibid., 36). Nas tormentas que estamos a atravessar, não nos salvará o isolamento, não nos salvarão a corrida armamentista e a construção de muros, que aliás nos tornarão cada vez mais distantes e irados. Não nos salvará a idolatria do dinheiro, que nos fecha em nós mesmos e provoca abismos de desigualdade onde se afunda a humanidade. Não nos salvará o consumismo, que anestesia a mente e paralisa o coração.

O caminho que o Céu aponta para o nosso percurso é outro: é o caminho da paz. E este requer, sobretudo na tormenta, que rememos juntos na mesma direção. É indigno que, enquanto todos somos provados pela crise pandémica, e especialmente aqui onde os conflitos causaram tanta miséria, alguém pense avidamente nos seus negócios. Não haverá paz sem partilha e acolhimento, sem uma justiça que assegure equidade e promoção para todos, a começar pelos mais frágeis. Não haverá paz sem povos que estendam a mão a outros povos. Não haverá paz enquanto se olhar os outros como um «eles», e não como um «nós». Não haverá paz enquanto as alianças forem contra alguém, porque as alianças de uns contra os outros só aumentam as divisões. A paz não exige vencedores nem vencidos, mas irmãos e irmãs que, não obstante as incompreensões e as feridas do passado, passem do conflito à unidade. Na oração, peçamos isto para todo o Médio Oriente; penso em particular na vizinha e atormentada Síria. (…)

O caminho de Abraão foi uma bênção de paz. Mas não foi fácil! Teve que enfrentar lutas e imprevistos. Também nós temos pela frente um caminho acidentado, mas precisamos, como o grande patriarca, de dar passos concretos, peregrinar para descobrir o rosto do outro, partilhar memórias, olhares e silêncios, histórias e experiências. Impressionou-me o testemunho de Dawood e Hasan, um cristão e outro muçulmano, que, sem se deixar abater pelas diferenças, estudaram e trabalharam juntos. Juntos, construíram o futuro e descobriram-se irmãos. Também nós, para prosseguir, precisamos de fazer, juntos, algo de bom e concreto. Este é o caminho, sobretudo para os jovens, que não podem ver os seus sonhos truncados pelos conflitos do passado. Urge educá-los para a fraternidade, educá-los para olharem as estrelas. Trata-se duma verdadeira e própria emergência; será a vacina mais eficaz para um amanhã pacífico. Porque sois vós, queridos jovens, o nosso presente e o nosso futuro! (…)

Foi precisamente através da hospitalidade, traço caraterístico destas terras, que Abraão recebeu a visita de Deus e o dom, já não esperado, dum filho (cf. Gn 18, 1-10). Nós, irmãos e irmãs de diversas religiões, encontramo-nos aqui, em casa, e a partir daqui, juntos, queremos empenhar-nos para que se realize o sonho de Deus: que a família humana se torne hospitaleira e acolhedora para com todos os seus filhos; que, olhando o mesmo céu, caminhe em paz sobre a mesma terra.



TESTEMUNHOS


A seguir apresentamos várias iniciativas e testemunhos coordenados e supervisionados pelas Super Regiões e Regiões correspondentes que desejam compartilhar suas experiências com os membros do movimento. Qualquer informação adicional sobre eles pode ser solicitada aos responsáveis pelas SR e RR que estão trabalhando neles, já que são atividades e projetos locais e concretos que não estão sob a coordenação da ERI.


Juan Guillermo & Mabel Ramírez Acosta

SR Colombia

AS EQUIPES DE NOSSA SENHORA DA COLÔMBIA CELEBRAM SEU 60º ANIVERSÁRIO COM UMA PEREGRINAÇÃO VIRTUAL


"Casais renovados, testemunhas do caminho para a santidade".


Lembrar o passado nos permite compreender o presente e construir o futuro e que melhor maneira de fazer isso do que celebrando esses momentos importantes da vida.


Desde 2019, como Casal Responsável de Província e depois como Casal Responsável de SR, sonhamos em celebrar os 60 anos das ENS em nosso país com um encontro nacional onde tivemos a oportunidade de lembrar nossa história e sonhar com as oportunidades que nos foram oferecidas como uma SR nascente.


Uma vez formada a equipe de trabalho, Villa de Leyva foi escolhida como local para o II Encontro Nacional, facilitando por sua proximidade a peregrinação ao Santuário Mariano Nacional Basílica de Nossa Senhora do Rosário de Chiquinquirá, Padroeira da Colômbia e ali para consagrar-nos a Maria. Quando 2020 chegou, a pandemia da COVID 19 truncou todo o projeto, forçando o seu cancelamento.


Após algumas semanas, e após superar o impacto emocional causado pela emergência sanitária, gradualmente cada uma das regiões, de forma virtual, retomou suas reuniões, encontros, dias de formação e "retiros espirituais" com muito boa participação dos membros das equipes, favorecendo a animação e a ajuda mútua. Neste cenário de vida em equipe virtual, nossa filha, que devido à sua idade e profissão tem experiência com as redes, reavivou a esperança de nossa celebração sugerindo a possibilidade de uma peregrinação virtual, dando uma virada em nosso evento, já que o que seria em pessoa se tornaria virtual, as redes se tornariam rodovias e o You Tube seria a sala de reuniões, a igreja e o lugar do abraço coletivo, não mais seriam ônibus e aviões transportando pessoas, mas caminhões carregando medalhas, uma imagem da Virgem, agenda comemorativa e o guia da preparação espiritual.


A peregrinação ao Santuário Nacional de Nossa Senhora de Chiquinquirá inspirou uma celebração profundamente espiritual destinada a dar graças a Deus pela bênção das ENS na Colômbia e uma ocasião para nos consagrarmos como Super Região à Virgem Maria, Padroeira e Senhora das Equipes.


A equipe de serviço rapidamente assumiu a tarefa. E depois de superar alguns contratempos, o material de trabalho estava nas casas e pronto para começar a peregrinação. Durante 9 dias, iniciamos um caminho de renovação de nossa relação conjugal inspirado no milagre de Chiquinquirá e nas virtudes de Maria. O encontro foi a partir de 23 de fevereiro às 19h30 todas as noites, no canal YouTube, onde uma região de cada vez, contou sua história e seu padre regional, inspirado por uma passagem bíblica proposta no guia, nos preparou para que cada casal na intimidade de sua casa praticasse a oração pessoal, a oração conjugal, a leitura da Palavra e um intenso diálogo conjugal que concluiu com uma tarefa que ambos deveriam desenvolver no dia seguinte, de acordo com o que foi sugerido no livreto de preparação.


O 9º dia de preparação estava a cargo dos frades dominicanos que nos abriram as portas do Santuário para peregrinarmos praticamente de 4 a 6 de março e, simultaneamente, o Colégio da Super Região se reuniu. A instalação da peregrinação esteve a cargo de Edgardo e Clarita Bernal Fandiño, Responsáveis da ERI, antes da Eucaristia a cargo da Região da Colômbia Central, berço da história da equipe colombiana e origem da semeadura das ENS em quase toda a geografia de nosso país. Durante os três dias de peregrinação, cada região teve a oportunidade de contar o que é hoje e vários casais convidados compartilharam suas reflexões, experiências e conhecimentos sobre alguns momentos importantes da história das ENS na Colômbia, sobre o Padre Caffarel e a necessidade de perseverança na oração para renovar e manter viva nossa espiritualidade conjugal, o papel da Virgem Maria como Senhora e Padroeira das Equipes, parte da história de Maria Ramos, uma mulher espanhola, protagonista humana do milagre da renovação, que, dedicada à oração, confiando na intercessão da Virgem Maria e com fé exemplar, rezou a Deus por seu casamento rompido. Por sua vez, o Reitor do Santuário Nacional, inspirado por sua leitura dos sinais dos tempos, convidou todos os membros do Movimento a conhecer e se preparar para enfrentar os riscos, dificuldades e desafios da família católica no mundo atual e a ser um lar à maneira da família de Nazaré.


Em agradecimento e como sinal de confiança para estes 60 anos, concluímos nossa peregrinação virtual com a Eucaristia de ação de graças, presidida por Dom Pedro Salamanca, Bispo Auxiliar de Bogotá e conselheiro espiritual, seguida do ato de consagração de nossa Super Região à Virgem Maria e do concerto de encerramento com o cantor-compositor católico colombiano, Héctor Tobo.


E quanto ao caminho à frente? A pandemia tem destacado nossa frágil condição humana, mas também a solidariedade, a dedicação e o sacrifício mesmo da própria vida como uma clara expressão de caridade fraterna está ressurgindo, fazendo-nos ver o futuro com esperança. Para aqueles de nós que levam a mensagem de Jesus e com nosso amor conjugal mostramos que "o amor está vivo", a escuridão no horizonte é um verdadeiro desafio porque somos chamados a "ser sal da terra" e por isso os convidamos a assumir com intensidade a renovação de nosso casamento e a vida em equipe para que, a partir de nossa vocação e assumindo nossa missão, possamos ser verdadeiras testemunhas do caminho para a santidade.

Ingrid et Padraig Lewis

SR Transatlántica - R Ireland

Da Irlanda com amor: Uma Masterclass Internacional do Matrimônio

As Equipes de Nossa Senhora existem na Irlanda há mais de meio século. Entretanto, apesar de sua longa existência e do entusiasmo de seus membros, as Equipes na Irlanda podem estar chegando a um " momento decisivo " em relação à sua continuidade na ilha, uma vez que muitos de seus membros estão envelhecendo. Diante desta realidade, em setembro de 2019, o casal regional Jim e Elaine Keogh criou um Comitê de Expansão, operando em nível nacional, que é responsável pela promoção do movimento.

Um dos principais projetos de expansão que organizamos como membros deste comitê foi o Marriage Masterclass com Equipes de Nossa Senhora, que está agora em sua terceira edição. As duas primeiras edições realizadas em agosto e dezembro de 2020 foram incrivelmente bem-sucedidas, abrangendo pessoas em mais de 20, cerca de 30 países ao redor do mundo. Dado que Nossa Senhora é a padroeira das Equipes, era nosso desejo que a Masterclass do Matrimônio estivesse ligada a uma grande festa dedicada a Ela. Portanto, a primeira Masterclass aconteceu durante a Festa da Assunção em agosto, enquanto sua segunda edição terminou na Festa da Imaculada Conceição, no dia 8 de dezembro. Confiamos a Masterclass à nossa Mãe do Céu, rezando para que ela tocasse os corações de muitos, trazendo renovação de fé, esperança e amor para paróquias, famílias e lares ao redor do mundo.

O objetivo desta Masterclass, que agora se tornou um evento anual, vai muito além da expansão regional na Irlanda: visa promover a espiritualidade das Equipes, compartilhando a beleza e a riqueza que este movimento traz para a vida de muitas pessoas em todo o mundo. Visa construir pontes e reunir pessoas de fé através dos continentes, e compartilhando um conjunto de experiências sobre como as Equipes enriqueceram a vida de muitos e fortalecer suas vocações para a vida conjugal e o sacerdócio. Uma iniciativa verdadeiramente única enviada da Irlanda com amor para o mundo inteiro, durante tempos tão difíceis de pandemia global.

A primeira edição desta Masterclass internacional, realizada no Facebook em agosto de 2020, consistiu em mais de 30 vídeos de casais, padres e bispos de 8 países, enquanto sua segunda edição, reuniu mais de 40 vídeos de membros de Equipes em 10 países. Entre estes testemunhos, houve também um vídeo coletivo feito pelos membros das Equipes de Jovens de Nossa Senhora na África do Sul.

Os vídeos recebidos de casais consistiram em testemunhos de vida conjugal e "palavras de sabedoria" sobre uma variedade de tópicos como: a beleza de pertencer às Equipes, a espiritualidade do Padre Caffarel, os seis PCEs, o aprofundamento da fé com as Equipes, experiências de vida conjugal - nos bons e nos maus momentos, receitas de sucesso para casamentos felizes, infertilidade e adoção, e educação dos filhos na fé. Além disso, vários padres deram testemunho sobre as graças e forças recebidas enquanto compartilhavam sua jornada vocacional com os casais. Os vídeos de três bispos também foram exibidos durante a Masterclass. O Bispo Steve Lowe, Diocese de Hamilton, Nova Zelândia, discutiu como as Equipes de Nossa Senhora transformaram a Igreja local. Usando uma mnemônica, o Bispo Denis Nulty, Diocese de Kildare e Leighlin, Irlanda, explicou que para ele, as iniciais TEAMS significam: Equipes + PCEs + Atributos dos cônjuges + Reunião Mensal + Sacramentos. O Bispo Nicholas Hudson, Diocese de Westminster, Reino Unido, compartilhou com grande afeto sobre seus pais que foram membros das Equipes por mais de 50 anos de suas vidas de casados.

Com suas incríveis diversidades, estes vídeos representaram um panorama do que as Equipes de Nossa Senhora têm a oferecer, especialmente considerando que este movimento está presente em mais de 90 países em todo o mundo. Além disso, estes vídeo-testemunhos destacaram o enorme presente que representa não só para as famílias, mas também para os jovens que tentam viver sua fé, para padres, bispos e para toda a Igreja Católica.

Ambas as Masterclasses realizadas em 2020 foram extremamente bem recebidas por uma grande audiência que abrangeu seis continentes. Uma das muitas mensagens recebidas de nossos participantes dizia: "Obrigado por seu 'sim' ao Espírito Santo. Grande iniciativa". De fato, foi assim que o evento nos pareceu: como uma viagem fantástica com Deus, inspirada pelo Espírito Santo cuja presença e orientação foi incrivelmente poderosa durante todo o processo de organização e durante o evento.

Com base no sucesso de suas duas edições anteriores, as Equipes de Nossa Senhora Irlanda anunciaram recentemente a convocação de vídeos para a terceira Masterclass do Matrimônio, a ser realizada de 1º a 8 de dezembro de 2021. Como de costume, o evento será realizado no grupo privado do Facebook chamado: Marriage Masterclass with Teams of Our Lady, que atualmente está hospedando o projeto das Equipes EXPERIENCE.

No geral, desde que começamos esta incrível jornada das 'Marriage Masterclasses', ficamos extremamente tocados pelo fantástico apoio de pessoas na Irlanda e em todo o mundo, equipistas que conhecíamos bem e outros que absolutamente não conhecíamos. Esta Masterclass é para nós uma grande oportunidade de conhecer pessoas nas Equipes por todo o mundo. Sentimo-nos privilegiados de entrar em contato com tantos casais, de ter uma visão do movimento como um todo e, o mais importante, de estar a serviço de Deus e das Equipes de Nossa Senhora.

Deus abençoe a todos vocês!

Klaus & Savina Von Massenbach

RR Germanophone

Explicar as bênçãos do casamento sacramental de uma forma contemporânea é o objetivo do novo Marriage YouCat.


O Marriage YouCat é um projeto para a Igreja Mundial, que é significativamente apoiado pela Conferência Episcopal Austríaca. Savina e eu fomos convidados a trabalhar neste projeto devido ao nosso envolvimento na assembleia austríaca das Comunidades Espirituais para "Casamento e Família".

Com base no sucesso mundial do YouCat, um catecismo que explica os ensinamentos da Igreja Católica numa linguagem simples para que os jovens os possam compreender, surgiu o desejo de escrever um catecismo especial para o casamento.

O objetivo deste catecismo especial é explicar o casamento sacramental cristão numa linguagem e numa forma acessíveis e, portanto, também promovê-lo. Este YouCat quer construir conscientemente pontes e alcançar pessoas que, devido à falta de modelos positivos ou pouca experiência positiva com a Igreja e o clero, assim como a linguagem muitas vezes formulada, estão pouco familiarizadas com os tesouros e conteúdos da Igreja. O YouCat quer ser um convite para se envolver com os ensinamentos da Igreja e para dar a possibilidade de levar uma vida plena.

Num primeiro passo, foram recolhidas perguntas de todo o mundo, que foram depois agrupadas em 300 perguntas nas 5 categorias seguintes.

  1. descobrir a riqueza do amor

  2. Faça-se belo para o casamento agora

  3. juntos - e não mais solitários

  4. o grande dia ante o altar

  5. O amor vive, crescer no amor

Foram atribuídas perguntas aos países individualmente, de modo que cada pergunta deveria ser respondida por 2-3 equipes. Savina e eu trabalhamos especialmente nas questões que estão muito próximas da missão das ENS.

A equipe editorial, tem agora a grande tarefa de atribuir perguntas e respostas, de as reunir e de as transferir para uma determinada metodologia. Para tal, desejamos à equipe editorial a assistência do Espírito Santo.

Um YouCat global para o casamento é provavelmente tão necessário quanto um grande desafio.

Por um lado, os ensinamentos centrais da Igreja precisam de ser explicados de uma forma acessível aos jovens; por outro lado, há o desafio de que as palavras casamento e família tenham um significado mais amplo do que o contexto cristão, e que o casamento e a família sejam sempre vividos e compreendidos num contexto social e cultural particular.

Se quisermos apelar não só aos jovens que vêm de um contexto católico clássico, a inculturação adequada do YOUCAT será provavelmente um grande desafio em si mesmo.

Conseguimos falar sobre este ponto com o editor.

Rapidamente concordamos que o Youcat tem os seus limites. Como catecismo, ele só pode fornecer respostas curtas e muito gerais. Contudo, como uma marca de sucesso, o YouCat pode criar uma nova visão positiva para os propósitos dos casamentos sacramentais. Assim, é impossível responder a uma pergunta como "Como é possível permanecer fiel a uma pessoa e amá-la ao longo da sua vida?" em poucas frases (1500 caracteres) de uma forma não trivial.

Falamos com o editor sobre o fato de haver provavelmente uma necessidade de formatos adicionais que, oferecem ajuda concreta para um casamento bem-sucedido, mas também ajuda concreta com problemas além de oferecem apoio e conforto.

Esta é uma ocasião para nós, como comunidade mundial, de utilizarmos este YouCat como uma oportunidade para as nossas preocupações. Como comunidade mundial, poderíamos potencialmente dar uma importante contribuição neste momento.

Por outro lado, poderíamos usar deliberadamente a atenção em torno do novo Marriage YouCat, a fim de difundir as nossas ferramentas de vida e pedagogia bem como apoiar os casais casados de uma forma bastante prática. Por outro lado, podemos fundamentar as mensagens abstratas do Marriage YouCat de uma forma muito prática, uma vez que temos uma metodologia que tem provado a sua eficácia globalmente nas mais diversas culturas e contextos.

Para a nossa região, com os nossos recursos muito limitados, estamos considerando abordar o assunto em conjunto com o YouCat, mas também Alpha e outras iniciativas matrimoniais. Assim, podemos imaginar um curso de casamento YouCat ou um manual de casamento YouCat para alcançar o maior número de casais possível.

Este projeto tem sido muito benéfico para nós de várias maneiras:

- A colaboração com as outras comunidades, com sacerdotes e outros indivíduos muito distintos neste campo, é uma bênção e um tesouro muito grande.

- E finalmente, foi uma oportunidade maravilhosa para tornar o movimento ENS mais conhecido no Condado Católico na Áustria.



Juan Luis Ferrari & Mª José Cortés Antonio Fernández & Paqui Moya

SR Espanha

GRUPOS VETERANOS NA SUPER REGIÃO ESPANHA (Sempre ENS)


A vida de uma equipe é semelhante, de certa forma, à trajetória vital de um ser vivo: uma equipe nasce, cresce, amadurece, dá frutos e, finalmente, desaparece. Ao longo de sua existência, constitui um instrumento eclesial básico para que casais e padres experimentem a espiritualidade conjugal, a ajuda mútua e, em suma, vivam um caminho de santidade ao longo de sua vida conjugal ou sacerdotal compartilhada com outros casais e padres: a vida de equipe.


O desaparecimento de uma equipe, seja por que motivo for, não elimina, em alguns de seus membros, o sentimento de pertença ao ENS que foi criado e vivido ao longo de uma vida matrimonial, sacerdotal e familiar, e no seio de uma vida em equipe.


O documento Vocação e Missão (ERI, Fátima, 2018) afirma que nosso Movimento deve se adaptar ao mundo moderno sem negligenciar nossos anciãos, levando em conta a solidão que eles podem sofrer com o desaparecimento de sua equipe e tentar administrar o desejo de continuar a pertencer as ENS.


Há alguns anos e em diferentes partes da Super-Região da Espanha, várias iniciativas vêm surgindo (sob o título de Equipes de Veteranos ou também conhecidas como Sempre ENS) que cristalizam as idéias que expusemos acima e que visam fornecer uma solução para a falta de equipes para os equipistas veteranos do Movimento. Tanto quanto sabemos, esta é uma experiência única em nossa Super-Região e não deve ser confundida com outra estrutura do Movimento; ao contrário, é um serviço de acompanhamento para esses grupos de equipistas veteranos. Para que possamos entender melhor isto, a título de exemplo, descreveremos a experiência que temos desenvolvido em Sevilha porque é a que conhecemos melhor.


Desde novembro de 2012, graças à idéia do casal Seco-Gordillo junto com seu Conselheiro D. Pedro Ybarra, de quem partiu esta iniciativa, as Equipes de Nossa Senhora de Sevilha têm acompanhado um grupo de equipistas veteranos composto por mais de 50 pessoas. O objetivo desta atividade é ajudar (e entre) os membros deste grupo, a fim de evitar o desengajamento daqueles que perderam suas equipes do Movimento, respondendo assim às necessidades de muitos casais.


Diante desta consideração, pensamos que o Movimento poderia oferecer aos casais, ou viúvas e viúvos, que se encontram nesta situação, a possibilidade de ter contatos com outros membros da equipe que se encontram nas mesmas circunstâncias, realizando reuniões em grande parte semelhantes às reuniões de equipe, o que lhes permitiria recuperar ou manter seu vínculo com as ENS e, sobretudo, possibilitando-lhes, assim, a prática da ajuda mútua entre si.


Nos reunimos três ou quatro vezes por ano. As reuniões duram entre duas e três horas e são modeladas na reunião da equipe, adaptadas, é claro, às necessidades do grupo. Ela é composta de cinco partes. Começamos com a ACOLHIDA de todos para todos, onde aproveitamos a oportunidade para nos cumprimentarmos e nos interessarmos uns pelos outros em uma conversa agradável e descontraída.


Dedicamos um bom tempo para rezar juntos, em uma ORAÇÃO cuidadosa e preparada, na qual nos apresentamos com a projeção de um vídeo, uma canção ou algumas palavras que criam a atmosfera certa. O ponto forte da oração é a proclamação do Evangelho, as reflexões compartilhadas e a intercessão comum e a ação de graças.


No final desta importante parte da reunião, passamos à exposição do TEMA DE ESTUDO que escolhemos para o curso. Ao longo destes anos, foram estudados muitos e variados temas, sempre tentando abordá-los do ponto de vista dos veteranos das Equipes. Muitos sacerdotes e casais do próprio grupo colaboraram generosamente na preparação e apresentação do tema. Somos profundamente gratos a todos eles.


Segue-se um DIÁLOGO COMPARTILHADO no qual os participantes da reunião expressaram suas opiniões e pontos de vista, enriquecendo e completando assim tudo o que havia sido dito anteriormente. Finalmente, todos nós rezamos juntos a oração do MAGNIFICAT e terminamos compartilhando um ÁGAPE FRATERNAL. Despedimo-nos com o desejo de nos reencontrarmos na próxima reunião.

De um ponto de vista vivencial, esta experiência foi iniciada porque alguns casais com uma longa vida em equipe, se viram com um certo vazio após anos de vida de comunidade afetiva com outros casais e compartilhando sua fé e vida com eles. Alguns se viram sem um vínculo com nosso Movimento e sua desconexão foi tal que não receberam sequer a Carta ou qualquer outra informação relacionada a ela. Estas etapas foram resolvidas desde o início.


A primeira convocação desses membros veteranos da equipe em novembro de 2012 foi um trabalho consciente dedicado à busca daqueles que estavam perdidos e sem nenhuma conexão com o Movimento. Foi uma alegria reencontrar casais, viúvas e viúvos que não tinham estado em contato por alguns anos, mas que tinham compartilhado responsabilidades e serviços. Foi uma experiência inesquecível, que nos marcou para continuarmos com entusiasmo por esta nova experiência de viver nosso Movimento de uma maneira diferente, mas que nos manteve unidos entre nós e com o Movimento. Também nos ajudou a manter-nos mais unidos, inclusive formando um grupo Whatsapp no qual trocamos notícias sobre o Movimento, juntamente com contribuições sobre orações e comentários de interesse geral.

A primeira reunião foi realizada em uma pequena capela de adoração perpétua, com a agradável surpresa de tantos membros das equipes, alguns em cadeiras de rodas, que tivemos que nos mudar para uma sala adjacente. Isto deu origem ao desejo de continuar esta magnífica experiência.


Sempre admiramos o testemunho das viúvas e dos viúvos que descobriram que o amor conjugal é mais forte que a morte.


Ultimamente, tornou-se necessário fazer uma coleta que é enviada à Secretaria Nacional como uma contribuição para este grupo de veteranos.


Este ano, por causa da pandemia, tivemos reuniões on-line e a última, se Deus quiser, será celebrada pessoalmente com uma Eucaristia.


Encorajamos todos os setores e regiões a levar esta experiência aos membros veteranos de sua equipe. Sabemos que esta iniciativa foi tomada pela Equipe Super-Regional da Espanha que a está promovendo e incentivando junto com o Colégio Super-Regional.


Recebam um abraço fraterno.


REUNIÃO VIRTUAL ERI- SUPER REGIÕES E RR

18 - 24 JULHO 2021

A nossa reunião anual do Colégio Internacional terá início em breve. A fim de começar a sincronizar os nossos corações com esta reunião anual vital, apresentamos-lhe o tema e o logótipo que nos acompanhará (que pode ver ao lado).

O tema do nosso encontro será

"Casamento Cristão, Fermento no Mundo"

O logótipo que foi concebido tentou criar uma síntese dos elementos importantes deste tema.

Os anéis representam o casal unido no casamento, no seu centro, coração e guardião, a fonte do seu amor e sacramento: a Cruz de Jesus que emana luz das profundezas do céu azul, que é também a cor de Maria.
Desse coração e dessas anéis, o
testemunho como casais cristãos expande-se em círculos concêntricos, como o fermento que expande a massa de pão, e abraça o mundo.
O nosso logotipo
lembra-nos a nossa pertença a uma comunidade de casais e à Igreja com a qual fazemos a nossa viagem.

Dentro de pouco mais de um mês enviaremos um documento de preparação espiritual, como na reunião do ano passado, mas a partir de agora juntemo-nos em oração pelo sucesso e pelos frutos desta reunião.


O QUE A ERI ESTÁ FAZENDO?

WORK IN PROGRESS

Paola & Giovanni Cecchini Manara

Casal Responsável pelo Secretariado

"Work in progress"

relatório sobre as actividades do secretariado

Este período que afeta a vida de todos nós também tornou nosso serviço como Responsáveis do Secretariado Internacional mais difícil. Para aqueles que não nos conhecem, somos Paola e Giovanni Cecchini Manara, somos italianos e fazemos parte da Equipe Responsável Internacional do nosso Movimento como o Casal Responsável pelo Secretariado.

A pandemia não parou nosso trabalho a serviço do Movimento, mesmo que o fato de não podermos nos reunir pessoalmente tenha tornado tudo mais complicado. Em nosso trabalho nos vemos envolvidos em muitas situações.

Um aspecto importante ao qual nos dedicamos tem sido a organização das reuniões da Equipe Responsável Internacional. Não podendo nos reunir por mais de um ano e meio, operamos dividindo o trabalho da ERI em muitas reuniões virtuais, tentando conciliar exigências familiares e de trabalho, horários diferentes, ritmos diferentes. Felizmente, a tecnologia nos ajudou a organizar nossas reuniões da América do Sul, pela manhã, para a Europa no final da tarde, para a Austrália à noite, dedicando cada vez duas horas à reunião. O compartilhamento de papéis e ideias nos dias que antecederam as reuniões tornou possível caminhar juntos, apesar de tudo. É claro que estamos ansiosos para nos vermos pessoalmente, porque a reunião on-line não é a mesma coisa. A ERI não é uma diretoria impessoal e o relacionamento pessoal é fundamental para compartilhar decisões, sentimentos, orações e orientações para o Movimento.

Outro projeto que continuamos a seguir com a mesma dedicação do início é a publicação da newsletter #distantesmaspróximos, juntamente com Mercedes e Alberto Perez, o Casal Responsável pela Comunicação, concebida e criada para poder estar em contato estreito com todos os casais do Colégio Internacional e trocar notícias e testemunhos.

Durante este período estamos trabalhando na preparação do Encontro Virtual do Colégio Internacional, que acontecerá de 18 a 24 de julho, a fim de preparar tudo o que é necessário em vista da partilha do material de trabalho, das celebrações, preparando como no ano passado uma plataforma on-line para apoiar as atividades dos casais.

Um projeto importante que estamos buscando é o das traduções. Depois de compartilhar o Protocolo de Traduções com os casais do Colégio durante a reunião em Valência, estamos trabalhando para tornar a parte operacional do protocolo mais concreta. Para isso, nos reunimos virtualmente com a maioria dos Casais Responsáveis das Super Regiões, dividindo-nos em grupos lingüísticos, para procurar pessoas dentro do Movimento que estivessem dispostas a ajudar na tradução de todos aqueles documentos que são feitos para as reuniões internacionais.

Para nós pessoalmente, foi realmente muito enriquecedor conversar com todos os casais e todos eles ficaram muito felizes em colaborar. Esta colaboração resultou em listas bastante ricas de equipes disponíveis para traduzir, e confiamos que este aspecto, tão importante para nossas reuniões internacionais, será gerenciado no futuro de forma responsável, compartilhada e mais eficiente.

Outro projeto interessante com o qual estamos lidando, em nome de toda a ERI, é o início de uma renovação da sede da Secretaria Internacional do nosso Movimento em Paris. Na Rue de la Glacière em Paris, como sabemos, há a sede do Movimento Internacional ENS e há os escritórios físicos do Secretariado Internacional, que ocupa o sétimo andar de um edifício dos anos 60. Este lugar foi desejado pessoalmente pelo Padre Caffarel, juntamente com os casais com os quais ele compartilhou responsabilidades, e é naturalmente um patrimônio importante para todos os membros do Movimento. Assim como somos chamados a preservar e cuidar dos casais das Equipes, também sentimos que é importante cuidar dos bens materiais que pertencem a todos.

O edifício é bastante antigo e inclusive o sétimo andar tem os sinais do tempo. Além disso, os vazamentos de água do piso acima arruinaram visivelmente algumas partes internas.

Este lugar não é apenas o lugar onde uma pessoa, uma secretária, trabalha fisicamente para nós, apoiando toda a atividade técnica necessária para o funcionamento do Movimento, mas é também o lugar onde a ERI se reúne para suas reuniões e onde a Associação dos Amigos do Padre Caffarel tem sua sede. Nós, como secretários, muitas vezes ficamos lá, nos dedicando a reuniões pessoais com várias pessoas, contato com bancos, contabilidade e tudo mais que for necessário para realizar nosso serviço. Outros membros da ERI, especialmente o Casal Responsável Internacional, Clarita e Edgardo, e o Conselheiro Espiritual Internacional Padre Ricardo, encontram ali uma casa acolhedora e reservada para realizar seus serviços da melhor maneira possível quando estiverem em Paris.

Pensamos em aproveitar a oportunidade de outras obras extraordinárias de melhoria que serão feitas em todo o edifício e o fato de que, devido à pandemia por um certo tempo, é impossível para a ERI ir a Paris e ocupar esses espaços, para proceder à sua disposição. O primeiro passo foi a substituição das esquadrias, que ainda eram as originais dos anos 60, melhorando a retenção de calor e a acústica. Além disso, é necessário elevar os sistemas ao padrão, em particular o sistema elétrico, de modo que eles sejam levados aos padrões modernos de segurança. A renovação interior também é necessária, pois os materiais utilizados para cobrir os pisos e paredes têm sinais evidentes de tempo e uso, dando uma aparência muito pouco digna a este lugar.

Além disso, também pensamos em remodelar as salas para que se tornem mais adequadas para o trabalho e as reuniões que lá acontecem, por exemplo, com uma sala de reuniões suficientemente grande para acomodar todos os casais de ERI e com um espaço para o trabalho de secretariado central e unificado que permita uma maior colaboração.

Neste momento, ainda estamos no processo de solicitação de orçamentos para o trabalho e esperamos realmente nas próximas semanas poder contratar uma empresa para fazer o serviço e começar a trabalhar. Haverá vários aspectos delicados que teremos que cuidar, começando com o arquivamento de todos os documentos e a limpeza das instalações. No sétimo andar do Glacière há muitos documentos interessantes que não devem ser perdidos, que contam a história de nosso Movimento; esta reestruturação será também uma oportunidade para catalogá-los.

Estamos confiantes de que poderemos realizar nossa próxima reunião da ERI aqui no Glacière em outono, finalmente pessoalmente, inaugurando assim as instalações renovadas.